17 e 24 de maio: Movimentos ocupam Brasília contra retrocessos

 

Em São Paulo, também está marcado um debate público com lideranças de movimentos sociais e centrais sindicais, no dia 17, em frente ao Masp...

 

Com o adiamento da votação da Reforma da Previdência proposta pelo governo golpista de Michel Temer, as centrais sindicais e movimentos sociais começarão, a partir desta semana, uma série de ações tendo Brasília como alvo principal da pressão.

A comissão especial que analisava a PEC aprovou o relatório por 23 votos a 14. No entanto, para que o texto seja aprovado em plenário, o governo precisa de 308 votos, e a base governista não tem convicção de que conseguirá atingir esse número, dada a rejeição ao tema.

Para aumentar a pressão contra a PEC, uma mobilização já está confirmada na capital federal nesta quarta-feira (17), com visitas a gabinetes no Congresso. Na próxima semana, dia 24 de maio, os movimentos farão o Ocupa Brasília, uma marcha que será realizada nas ruas da capital federal.

Para o Ocupa Brasília, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) conclama toda a sociedade brasileira, as diversas categorias do campo e da cidade, os movimentos sociais e de cultura a ocuparem a capital federal. Segundo a central, o objetivo é “reiterar que a população brasileira é frontalmente contra a aprovação da reforma da Previdência, da reforma trabalhista e de toda e qualquer retirada de direitos”.

Em São Paulo, também nesta quarta-feira (17), está marcado um debate público, em frente ao Masp, com lideranças de movimentos sociais e centrais sindicais, a partir das 19h.

“A Greve Geral do último dia 28 mostrou que a informação está chegando à população que está participando de todas as atividades convocadas. E assim como fizemos a maior Greve Geral da história, também faremos a maior manifestação que Brasília já viu”, aponta o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

Ricardo Stuckert
Lgo. da Batata em São Paulo tomado pela greve geral

As centrais Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB ); Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB);  Central Sindical e Popular (CSP Conlutas); Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil (CTB); CUT; Força Sindical; Intersindical – Central da Classe Trabalhadora; NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores e União Geral dos Trabalhadores (UGT) afirmam que , durante esta semana, haverá uma programação intensa de atividades nas bases sindicais e nas ruas.

A agenda de lutas busca continuar e aprofundar o debate com os trabalhadores e a população sobre os efeitos negativos (das reformas) para toda a sociedade e para o desenvolvimento econômico e social brasileiro”.

As centrais sindicais também não descartam a possibilidade de uma nova greve geral. “Sempre está no horizonte”, diz o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

O primeiro passo para barrar essa “reforma da Previdência’, observa Nobre, é fazer um “trabalho de convencimento” com deputados e senadores.

As centrais ainda ressaltam que se a marcha não bastar, elas “assumem o compromisso de organizar um movimento ainda mais forte do que foi o 28 de abril”.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações da CUT e Rede Brasil Atual

Coordenação

Construindo Um Novo Brasil.

Website: construindoumnovobrasil.com.br/

É uma corrente interna do PT, da qual fazem parte alguns dos principais ministros do nosso governo e o próprio Luiz Inácio Lula da Silva, entre outros quadros importantes. A corrente nasceu em 1983, a partir do Manifesto dos 113, que buscou organizar o grande número de militantes...