PEC 241 pode tirar 90% do orçamento do MinC, diz ex-secretário

Segundo João Brant, em apenas 5 anos de PEC o orçamento finalístico, para financiar projetos e obras, poderá cair drasticamente e paralisar o Ministério...

 

O ex-secretário executivo do Ministério da Cultura (MinC) na gestão de Juca Ferreira (2015-2016), João Brant, divulgou, nesta quinta-feira (20), uma nota técnica onde aponta que o orçamento finalístico do MinC deve diminuir 90% em apenas 5 anos, caso a PEC 241 seja aprovada pelo Congresso Nacional. Esse orçamento é destinado a ações práticas como o  PAC Cidades Históricas e convênios com Estados e municípios.

Proposta pelo governo golpista de Temer como única alternativa para fazer o ajuste fiscal, a PEC 241 é chamada de PEC do Fim do Mundo pois irá comprometer todo o orçamento do governo, exceto para pagamento da dívida pública, pelos próximos 20 anos.

Pela proposta, o orçamento do Executivo passa a ser igual ao do ano anterior, ajustado apenas pela inflação, calculada pelo Índice de Preços aos Consumidor (IPCA), o que na prática significa uma diminuição dos gastos proporcionalmente ao PIB ao longo do tempo.

Brant lembra que “em 2015, em meio ao forte ajuste, houve um grande esforço para reduzir as despesas com manutenção e funcionamento de unidades em mais de 20%, sobrando pouco espaço para novos cortes”. Além disso, em 2016 a pasta teve o menor orçamento dos últimos dez anos.

Saúde, Educação e Salário Mínimo

Outra área que deve ser fortemente afetada pela PEC 241 é a saúde. De acordo com cálculos do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Conselho Nacional de Secretarias Estaduais de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), as perdas para a saúde nos próximos 20 anos podem chegar a R$ 424 bilhões.

Na prática, esse corte irá significar a morte do SUS, o Sistema Único de Saúde, que atende 75% da população brasileira, cerca de 150 milhões de pessoas.

João BrantBrant alerta para situação impactante no MinC

No caso da educação, a medida basicamente irá barrar aumentos nos salários dos professores e provavelmente impedirá que se atinjam as metas do Plano Nacional da Educação, como aumentar vagas e criar novas creches.

A PEC também prevê sanções caso as despesas ultrapassem os limites estimulados , o que inlcui vetos “a adoção de medida que implique reajuste de despesa obrigatória acima da variação da inflação”, afetando diretamente o salário mínimo, que poderá ser reajustado pela inflação, mas não terá ganho real.

Análise

Confira a análise adaptada do ex-secretário e aqui a nota técnica na íntegra:

“PEC 241 pode tirar até 90% do orçamento finalístico da cultura em cinco anos

A aprovação da PEC 241 poderá afetar profundamente o orçamento da cultura. Mantidas as condições atuais, em cinco anos a pasta pode perder 33% do seu orçamento nominal, o que significaria a perda de cerca de 90% de seu orçamento voltado para ações finalísticas, que inclui todos os editais, obras (inclusive do PAC Cidades Históricas) Fundo Nacional de Cultura, convênios com estados e municípios, entre outros.

O Orçamento do Ministério da Cultura, exceto pessoal e despesas financeiras, é R$ 730.354.972. Destes, R$ 32.910.626 são referentes a despesas obrigatórias (benefícios dos servidores), R$ 319.490.120 vão para manutenção e funcionamento do Ministério e de todas as vinculadas, e ficam R$ 377.954.226 para ações finalísticas.

O orçamento discricionário do MINC suporta todas as ações de manutenção, funcionamento e ações finalísticas do Ministério da Cultura, incluindo suas sete entidades vinculadas – Ancine, Funarte, Fundação Biblioteca Nacional, Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundação Cultural Palmares, Ibram e Iphan.

A única despesa relevante do MinC que não estaria incluída no teto da PEC é a porção de investimentos retornáveis do Fundo Setorial do Audiovisual, que por ser considerado despesa financeira fica fora do cálculo das despesas primárias e portanto dos limites estabelecidos.

O Ministério da Cultura não tem um piso definido e, em momentos de ajuste fiscal, sempre acaba sofrendo cortes. Em 2015, em meio ao forte ajuste, houve um grande esforço para reduzir as despesas com manutenção e funcionamento de unidades em mais de 20%, sobrando pouco espaço para novos cortes sem comprometer o funcionamento básico das vinculadas.

Para calcular o impacto no orçamento do MinC do teto estabelecido para PEC é preciso saber o que ocorre com as outras despesas que constam do orçamento. Para isso, utilizei como referência o estudo de Manoel Carlos Pires, economista do Ipea que analisa os efeitos da PEC nas despesas discricionárias do Governo Federal.

Para calcular o impacto sobre as discricionárias, o pesquisador considerou a estimativa de crescimento das despesas previdenciárias e a necessidade de manter despesas obrigatórias com assistência social, saúde, FAT e pessoal, além do piso mínimo de despesas com educação.

Considerando os parâmetros adotados, a estimativa é de decréscimo do espaço para acomodar as despesas discricionárias. Entre 2016 e 2021, a previsão é que haja 33% menos recursos para este tipo de despesa.

Se mantida a mesma proporção do orçamento do Ministério da Cultura perante as outras áreas, o que nem sequer é garantido, os R$ 730.354.972 de 2016 se transformariam em R$ 492.436.307 em 2021. Considerando o peso da inflação sobre as despesas de manutenção e funcionamento e sobre os benefícios, restariam apenas R$ 40.640.955 para todas as despesas finalisticas de todas as vinculadas (exceto os investimentos retornáveis do Fundo Setorial do Audiovisual).

A situação se torna ainda mais impactante se considerado que o orçamento de 2016 já é o menor orçamento discricionário da cultura desde 2007, tendo por base valores nominais. Além disso, as despesas com manutenção e funcionamento de unidades já foram diminuídas em mais de 20% em 2015, o que dificulta a diminuição de sua participação no orçamento.

A queda de quase 90% do orçamento voltado a ações finalísticas implicaria, na prática, na paralisação de todas as ações do Ministério da Cultura, incluindo os editais voltados às artes cênicas, literatura, música e artes visuais, editais de pontos de cultura, ações voltadas à cultura negra, obras de patrimônio cultural e exposições de museus, financiamentos não-retornáveis do Fundo Setorial do Audiovisual, além de ações de digitalização da Biblioteca Nacional, bolsas da Fundação Casa de Rui Barbosa e todas as ações financiadas pelo Fundo Nacional de Cultura.

Esse resultado ocorreria em apenas cinco anos de vigência da PEC, e fatalmente implicaria na busca de soluções como fechamento ou transferência de instituições e unidades para a iniciativa privada, pois seria impossível manter o orçamento para manutenção desses órgãos.”

Da Redação da Agência PT de notícias

Coordenação

Construindo Um Novo Brasil.

Website: construindoumnovobrasil.com.br/

É uma corrente interna do PT, da qual fazem parte alguns dos principais ministros do nosso governo e o próprio Luiz Inácio Lula da Silva, entre outros quadros importantes. A corrente nasceu em 1983, a partir do Manifesto dos 113, que buscou organizar o grande número de militantes...